27.10.07

De facto, uma ideia nada óptima

Não entendo, mas não entendo mesmo as mudanças propostas nesta próxima reforma da língua portuguesa, tão alardeada por aí. As alterações serão todas de caráter meramente ortográfico, e sinceramente irrelevantes no que toca a melhoria da compreensão entre nós, lusófonos. Ou seja, o que se propõe como mudança não nos aproxima em nada.
Pensa bem: quando você pega um jornal ou um livro português para ler, não é porque assembleia não tem acento que você deixa de entender. Nem porque húmido lá é com h, e nem porque académico tem acento agudo.
São duas coisas que podem te deixar boiando: a construção sintática e o vocabulário. E, claro, nada disso pode ser contemplado em reforma alguma.
Eu ia me estender nessa discussão, mas vou sintetizar citando Lobo Antunes, na epígrafe de Memória de Elefante:
"Há sempre uma abébia para dar de frosque, por isso aguentem-se à bronca."
E aí, foi por causa da falta do trema em aguentem-se que você não entendeu?
.

3 comentários:

Anunciação disse...

Concordo com você;essa reforma ortográfica,espero que não aconteça;ouvi falar que só será aprovada com o aval de portugal e tomara que não aceitem.Quanto à frase,pelo amor de Deus me mata a curiosidade:o que significa isso?

anna v. disse...

Anunciação: não tenho a menor idéia.

Isabella disse...

Falou e disse. Ou seja, o que se propõe como mudança não nos aproxima em nada.
Beijo.