2.4.09

Jornada tripla


For the records:
São dez e meia de noite de quinta e estou sentando agora no computador para ver se termino a tradução de um capítulo sobre as obras históricas do iluminismo escocês.
Isso depois de: sair de manhã para trabalhar com chuva fina e tempo frio, vestindo suéter de lã e gorra rulê por cima de blusa preta, calça jeans, sapato fechado e meia, depois voltar pra casa para almoçar com uma temperatura de uns, sei lá, trinta graus, céu azulíssimo, mas antes passar no supermercado para comprar uva para a pequena, porque, sim, ela aprendeu a falar u-va e eu fiquei com dó de não ter u-va pra ela comer, depois voltar pro trabalho e ficar até as seis, aí sair correndo e pegá-la na creche, apanhar um táxi (com carrinho, bolsas, guarda-chuva, casaco), ir assistir a um show do pai dela, passar o show quase todo sentando no chão e levantando para ir atrás dela (que, diga-se, comportou-se bem, i.e., ficou em silêncio, ainda que em movimento constante), basicamente uma aula de aeróbica, em termos de queima de calorias, depois pegar o carro, voltar pra casa sozinha com ela, com chuva, para o nosso prédio sem porteiro nem elevador nem portão automático na garagem, dar jantar para a mocinha, que comeu metade e depois pediu u-va (oooohh!), colocá-la para dormir, e finalmente conseguir jantar.
Que São Hume me ilumine (com trocadilho)!
.

3 comentários:

Deh disse...

hohohohoho
tudo me pareceu incrivelmente familiar...hahahahahha
beijo!

PS: Alê é doido por uva. Mas os efeitos intestinais são bombásticos.

anna v. disse...

Haha, por que será, hein, Deh?
"A woman's work in never done"...
PS: Aqui as uvas não tiveram efeitos, não. Uvas Thompson, sem caroço.

Anunciação disse...

Uhu!E viva a resistência feminina.