27.4.09

Pensamentos de segunda

  • Como é que ainda não inventaram uma armação de óculos com um localizador que apita, como os de telefone, que você aperta um botão na base e ele começa a piar? Ou como uns chaveiros, que você assobia e ele responde? Eu às vezes tenho a impressão de que passo parte considerável dos meus dias permabulando pela casa procurando meus óculos.
  • O vocabulário da criança: mamãe, papai, vovó, banana, uva, água, sapato. Sendo que sapato foi, de todas as palavras, a primeira. Fico me perguntando por que será... E movimentos vigorosos com a cabeça, para fazer que sim, e principalmente para fazer que não. Dá trabalho, mas é engraçado pacas.
  • Ir trabalhar de bicicleta é uma graça, uma delícia, etc. Mas quando cai um temporal, francamente, é uma m*erda.
  • A tradução que estou fazendo: 78% feitos; 22% por fazer. Vamo que vamo.
  • Men-go.
.

3 comentários:

Deh disse...

Ah, eu gostaria de ter um celular com apito.
E olha, os dias são longos sim. Não acabam. Tô respirando em meio ao passar de roupas. Jogo de lençol de flanela. Tamanho king.
O Alê ontem me saiu com a pérola "Parece Diná", pra mostrar um gatinho que vimos numa festa. Fala mais que pobre na chuva (não me peça pra explicar, mas a expressão é consagrada e é ótema).

Cesar disse...

O truque que eu aprendi depois de perder muito tempo procurando coisas pela casa é sempre deixar num único lugar.
Assim não perco chaves, celular, óculos, caneta, etc.
E por falar em coisas engraçadinhas que eles aprendem, a minha aprendeu a fazer com a mãozinha e a falar o OK. Agora, pra tudo, é OK, tá muito engraçado.

Ângela Fatorelli disse...

seja míope o suficiente para nunca nem poder pensar em deixar os óculos longe. infalível.