26.6.08

Para as paredes

Cenas do épico "Introduzindo Alimentos - Cap. 1: Frutas"


Já me conformei com o fato de que não tenho mais leitores. Não é possível que alguém continue aí depois de tanto silêncio. Não me importo, fico falando com as paredes, tudo bem.

Não aconteceu nada de extraordinário nesse meio tempo, só muitas coisas, coisas demais. Então, Gênio da Lâmpada, meu primeiro pedido é um dia com 36 horas. Com a maior urgência.

Nada de extraordinário, mas coisas desnecessárias. Por exemplo, perdi os óculos. Tem coisa mais desnecessária do que isso? Nunca tinha perdido óculos antes. Fui levar a criança no parquinho um belo dia de sol, óculos escuros no rosto, óculos de grau no porta-copos do carrinho, para ler uma revista quando chegasse lá, e de repente, cadê? Sumiu. Refiz o caminho, perguntei ao camelô, ao jornaleiro, a todo mundo no caminho, e necas. Bem que eu queria acreditar que uma pessoa com astigmatismo e um cadinho de miopia estava bem precisando de um par de óculos e encontrou aquele na rua, e eu, indiretamente, fiz um Miguilim feliz. Mas já estou meio velha pra acreditar nessas coisas. Não me restou nada a não ser fazer outros. Então fui às Óticas do Povo ("Morou?"), o que serviu para me fazer rir com os mil cartazes de modelos lindíssimas, com cabelos esvoaçantes e maquiagem glamourosa... e de óculos. Então pode acreditar, o único lugar onde você verá a Gisele Bündchen de óculos é no cartaz da ótica. De resto, o que são os preços das armações, hein? Que país é esse, em que uma armação de óculos custa em média, 400 reais? Levei fotos minhas de óculos ("Quero uma armação assim. Ó, aqui de frente, aqui de perfil, tá vendo?"), para diversão das vendedoras. Ficou pronto no dia seguinte e eu deveria levar no oculista para a conferência, mas... Jacaré foi? Nem eu.

Outra coisa desnecessária: mastite. De novo. Pela terceira vez. Um belo dia me senti molenga, tive febre, dor no seio - todos os sintomas já conhecidos. Só que dessa vez eu não estava com tempo para ter mastite, ir no hospital, tomar antibiótico etc. Resultado: não vingou. A dor e a febre sumiram, e eu passei a me sentir ótima. Acho que posso ficar milionária com esse negócio, se escrever um livro de auto-ajuda. Tipo: converse com seu corpo, explique que não dá pra ficar doente naquele momento. E voilà.

E a criança. Ah, a criança está uma graça. Faz uma semana que resolvemos começar a dar frutinhas. Um fracasso retumbante. A gracinha só quer saber do leitinho da mamãe. Banana, mamão, maçã, pêra, tudo ela odeia. Cospe. Faz caretas divertidíssimas. Tem engulhos, ânsias de vômito. Temos um longo caminho pela frente, ao que parece.
Ela entrou na fase que chamaremos de oral-obsessiva: põe tudo na boca. Tudo que não pode, bem entendido. Sei exatamente o momento em que essa fase começou. Domingo, quando estávamos em uma festinha junina, ela brincando com as bandeirinhas de papel que ainda seriam penduradas, e pléc, meteu na boca. A banderinha vermelha. Quando vi, estava parecendo o Coringa do Batman. Roupa, mão, chupeta tudo ficou vermelho. Imagino o quão atóxica deve ser a tinta dessa bandeirinha, haha. Ainda bem que não temos frescura.
Ah, e ela só quer ficar em pé. Depois de sentar sozinha antes dos 5 meses, o lance agora é ficar em pé. Nada de engatinhar, que isso é coisa de neném. Basta esticar uma fita de pano na frente dela que em dois tempos ela agarra e se levanta. Valei-me, Nossa Senhora Corredora Atrás de Crianças.

E esse frio, hein?

Last but not least, este blogue fez dois anos no dia 23. Não teve bolinho, mas aceito os parabéns de vocês, paredes.

Tá bem, vou dormir, agora que o Fluminense perdeu (hihihi).
.

19 comentários:

Marcus disse...

Blogueiro quando faz esse chorinho fingido, buáá, não tenho leitores, é porque quer comentário, hehehe.

Tenho lido sempre, mas não tenho tido inspiração para comentar. Parabéns pelo segundo aniversário. Seu blog tem pouco tempo de vida mas ocupa um lugar especial nos meus favoritos.

Isabella disse...

Que beleza, post fresquinho e com fotos! Eu ja estava estranhando o sumico, apesar de imaginar que muita coisa devia estar acontecendo do lado de fora. Particularmente acho otimo que ela esteja so querendo o leitinho da mamae.
Beijos,

Tatiana disse...

Eu tive mastite quando amamentava meu primeiro filh. Dói pra cacete!
Mas eu tratei com homeopatia e nunca mais tive nada.
E o pior é que eu me sentia uma vaca leiteira lactamente histérica, chorona e febril.
Foi difícil.
Vai melhorar com vc também!

Deh disse...

Uia, nem bananinha? Mas que coisa! Mas persista, não desista, que ela há de gostar, assim como um menininho que eu conheço MUITO bem. Com fruta não teve crise, mas com a papinha salgada foi duro no início. E hoje come até tijolo, se estiver bem moidinho, e ainda tem suas recaídas pra mamar na mamãe à noite e de manhã.
Mas que estão ótimas as caretas dela, ah isso estão sim! :)

Beijo!

Clara Lopez disse...

Nossa, quanto tempo! Sejam bem vindas, ambas, que vc fique bem e a mastite seja camarada, não doa. Ela está linda, muito, senti saudades dela como se fosse minha sobrinha :) Não entendo de comidinhas de criança, a que eu crio já veio 'pronta', com 8 anos:)
um abraço, não fique tanto tempo sem aparecer,
clara lopez

Adriano disse...

Não sou dos mais assíduos escritores/comentadores, mas leio sempre seu blog!
Parabéns pela Mathilde e pelo blog!
beijo

Alena disse...

Ai, ai... sumiço? Parece que a gente andou negligente, mas tanta coisa acontece que não dá tempo nem para respirar. Inspiração para escrever o quê? A vida nem anda acontecendo por aqui. Virei a pessoa mais sem novidades do mundo, exceto a gravidez, é claro.

Fico apavorada quando vejo vocês falarem das dificuldades e repito aquele mantra: isso só acontece com o vizinho, isso só acontece com o vizinho...

No mais? Ela está uma graça. Venho sempre aqui, mas nem sempre comento. Aquela foto dela segurando o pezinho...Passo um tempão olhando a coisa mais fofa!

Saúde para todos!

beijos e parabéns pelo níver do blog.

Um beijo de uma das paredes.

Liliane disse...

Esta parede que vos fala parabeniza pelo aniversário do blog!!
Persista nas frutas que vale a pena! Aqui a menina já engatinha desde os 4 meses e meio e come tudo que passa pela frente, mama feito uma ferinha e ontem foi parar na urgência com dor nas gengivas... Vem dentinho por ai!! E não me fale em abandono de blog que chega a me doer o coração... O meu está completamente entregue às traças cibernéticas!
beijos em voces e boa noite!!

Ângela Fatorelli disse...

entendo o hihihi perfeitamente :)

esse papo com o cooorpo é ótimo, vou adotar.

papai tem ótica. eu há uns meses perdi uma armação, que só de custo, me levou 600 pratas, fora as lentes super ultra slim power. ódio. ah, sim. papai me cobra. barato, mas cobra.

as fotas de dona R. cuspindo a babaninha stão fofas demais.

vou ver se tomo vergonha na cara e passo chez toi e levo um mamão da feira de sábado, que está cada dia melhor (ali, perto da mena & paulo barreto).

kisses flamenguistas suíno-espirituosos :)))

anna v. disse...

Marcus, e QUEM não quer comentários? Ah, e obrigada pelo carinho.
Isabella, também acho ótimo, mas sei lá, onde é que isso vai parar, né?
Tatiana, eu tive duas mastites. Na terceira é que pedi penico e o corpo colaborou.
Deh, fazer o quê?, só me resta persistir mesmo. E não, nem bananinha docíssima, nada.
Clara, vou tentar não sumir muito, mas não é fácil não.
Adriano, valeu, que bom!
Alena, essas dificuldades são fichinha. Eu dei muita sorte. Você também vai dar. É muita paixão.
Liliane, puxa que sucesso, parabéns. E, claro, vou persistir. Hoje foi pêra.
Ângela, você é carioca na acepção mais relapsa do termo. Mas mesmo assim mora no meu coração...
Bjs

matteo irma disse...

Anna, minhas mastites sempre curaram sozinhas, nunca cheguei a tomar antibiótico, mesmo quando, numa das vezes, eu tive febres até bem altas. E nessa ocasião eu ainda estava nos Estados Unidos, logo se tivesse que tor antibiótico teria que gastar uma pequena fortuna com médico...
O que eu fazia: bastante compressa gelada no local (quente, jamais!) e minha filha mamando bastante, pois sempre tinha a ver com um empedramento. E pra dor, ibuprofeno aliviava bem. Fica aí a dica de quem passou por isso algumas vezes...
Beijo
Renata

Anunciação disse...

Como disse a liliane,a parede que vos fala fica contentíssima quando tem post aqui e quando não tem fica imaginando que a mãe tah cuidando da criança,dos óculos,da casa,etc.Um beijo e parabéns pelo aniversãrio do terapia.

anna v. disse...

Renata, pra cuidar das mastites fui no Hospital Fernandes Figueira, do qual já falei bem aqui no blogue e merece todos os melhores elogios do mundo. E eles dão os antibióticos de graça. Eu não sou fã de antibióticos, mas tomei sem pestanejar.
Anunciação, pois é, você está imaginando certo! :-)
Beijão

matteo irma disse...

Anna, eu conheço o IFF muito bem. Além de saber o quanto esse hospital é conceituado, tenho duas grandes amigas (e profissionais) que trabalharam lá, minha obstetra, o pediatra da minha filha e de quebra nossa homeopata são todos de lá, e inquestionavelmente são profissionais excelentes.
Falei sobre a questão do antibiótico porque vc mesma, nesse post, mencionou que sua mastite se curou sozinha. Não foi mágica, o que aocntece é que de fato, na maioria das vezes, não há necessidade de se tomar antibiótico.
Não foi patrulha da minha parte, me perdoe se me fiz entender dessa forma. Eu AMO antibióticos quando eles são realmente necessários (5% das infecções que sofremos, segundo o pediatra da minha filha que, como disse acima, é do IFF), mas detesto médicos que os prescrevem sem necessidade (95% deles, que, segundo minha amiga que foi residente do IFF, os prescrevem porque grande parte dos pacientes só os respeitam e ficam satisfeitos quando recebem uma prescrição de remédio). Simplesmente não gosto de tomar algo que enfraquece meu organismo sem necessidade, e só comentei porque acho essa troca de informações que a blogosfera (inclusive a blogosfera materna) proporciona super saudável e enriquecedora.
Mas, voltando a mastite, só pra eu concluir, nos casos em que realmente há necessidade de tomar antibióticos, bons médicos (como são os do IFF) sabem avaliar e prescrever o tratamento correto, não tenho dúvida!
Desculpe pelo testamento!
Beijo
Renata

Cam Seslaf disse...

Como assim essa menina já quer andar?! Tô passada com a senhora, dona Mathilde! A Catarina só sentou na semana passada. Não temos mais o mesmo bebê! :o)
E olha, fiquei com taquicardia só de ler o SEU relato da introdução dos alimentos, hahaha! Bem-vinda ao inf... a esse mundo maravilhoso e desafiante, benzinho (rs). Breast is best até por isso: agora você ou estará preparando refeição, ou dando refeição ou limpando a refeição.
Tin-tin às 36 horas!

Cam Seslaf disse...

E eu venho aqui todo dia, toda esperançosa, viu?

Jussara disse...

Oi, Anna,
Faz muito tempo que não comento aqui, mas leio sempre, sempre; seu blog é um dos meus preferidos; acho que vc escreve mto bem e tem todo um cuidado com a língua que a maioria dos blogueiros não tem.

A Mathilde tá cada dia mais bonita e mais sapeca, hein?! fofas demais as fotos dela "cuspindo" as frutas.

Tá um pouco atrasado este comentário, mas vc me inspirou a tomar coragem e pintar as unhas de vermelho dia desses... pode me incluir na lista das mulheres que tb não fazem a unha , e os meus motivos são coincidentemente quase todos os mesmos que os seus. Mas no meu caso não agüentei mto tempo; parecia que não era eu, e acabei tirando logo, até pq, não conseguia fazer quase nada, parecia que qualquer coisa iria arranhar as unhas(a pintura). Fiquei me achando meio perua, coisa que não sou nem um pouco.

E parabéns pelos 2 anos do blog; lembro que qdo comecei a ler, tinha pouquíssimos posts, mas foi um blog que gostei logo de cara, muito pelo jeito diferente e meio sofisticado com que vc escreve.

Dita Von Claire disse...

theodoro curou com a boca, literalmente, as quatro mastites que desenvolvi.
ele sabia, claro que sabia, o que rolava e vinha "atá mim" tão decidido que secava os peitos rapidinho e de duas em duas horas, ou seja, em questão de dois dias as "pedras" começavam a sumir, a febre cedia e a vida voltava ao normal.
sobre as comidinhas o meu piá é uma draga. tudo ele adora, acha ótimo, repete e tal só que, claro, a predileção é ainda, sem dúvida, pelo peito.

anna v. disse...

Renata, entendi o que você quis dizer. Acho que pensamos de forma bem parecida, no fim das contas.
Cam, estou com muita saudade de vocês duas. Não tem mais post, neném fica triste.
Jussara, o que posso dizer do seu comentário? Me deixou estupidamente feliz. Ah, o poder das palavras...
Dita Von Claire, aqui temos também, por enquanto, uma peitólatra. E eu não acho isso nada ruim.