25.5.10

Rímel: a última fronteira


Como vocês sabem, apesar dos meus bem vividos trinta e três anos, sou uma novata nesses assuntos de beleza, cosméticos, manicures, maquiagens e afins. Mas tenho me aplicado. Pelo simples motivo de que simplesmente não ficamos mais jovens -- e tenho repetido esta frase com frequência cada vez maior nos últimos tempos.Então este ano pela primeira vez fiz a sobrancelha (que ficou um loooosho de linda) e passei a fazer as unhas (pé e mão, ou "P/M" no jargão dos salões) com alguma regularidade (mais ou menos uma vez por mês -- vamos aos poucos, que ainda sou amadora nisso). Isso tudo eu fiz no salão da minha amiga M., que foi minha colega de primário e tem um salão de beleza no Leblon, exatamente em frente ao Bracarense (para os que não conhecem, um bar de grande fama (a meu ver injustificada) por seu chope e petiscos). Como só vou ao Leblon nos fins de semana, para visitar minha mãe, é só às vezes que dá para ir ao salão de M., de modos que não tenho --ainda-- uma rotina fixa, por assim dizer.


Além disso, a mulherada do meu trabalho ajuda. Não sei se já mencionei este fato, mas no meu trabalho praticamente só tem mulher. O homens são 8. As mulheres somos 42. E digo que elas ajudam porque elas se arrumam -- não em relação a roupa, porque muitas usam uniforme, e as que não usam se vestem de forma bastante normal, mas em relação a maquiagem, unha e cabelo, é um show. E isso, como direi, vai inspirando a pessoa.Então comecei com o batonzinho básico, ou gloss, para o dia a dia. Depois, comecei a não mais sair de casa sem o incrível corretivo Shiseido que minha amiga N. me trouxe do Japão. Disfarça as olheiras que é uma beleza. Aí, depois do episódio das sobrancelhas, comprei um kit de pincéis de maquiagem que inclui uma escovinha de sobrancelhas (coisa que eu nem imaginava existir), que agora uso diariamente para pentear minha melenas. E de umas semanas para cá comecei a achar que era um desperdício deixar na gaveta apodrecendo um super estojo de 48 tons de sombra que comprei na Itália em 2004 (!), quando me dei conta de que em algum momento da vida não poderia mais contar com as maquiagens de mamãe. Os pinceizinhos que vieram no estojo já se esfarelaram, e foi por isso que comprei o kit de pincéis. Então agora a verdade é que estou passando sombra todo dia de manhã, para ir trabalhar!


Não posso evitar a exclamação depois de uma frase como esta, porque eu mesma mal me reconheço nesta afirmação. Minha rotina matinal está começando a ficar realmente demorada. Saio do banho e passo o creme especial para gestantes, na barriga e seios, para tentar evitar as estrias. Em seguida, o hidratante nas pernas e pés. Depois, o meu creme francês Diadermine Dermo Fraîcher PH7 Soin de Jour Hydratant, no rosto todo. Em seguida, o corretivo nas olheiras. Depois, um tiquinho de lápis de olho (coisa que ainda não sei usar, preciso ver esses tutoriais de make up no YouTube) e a sombra. Por fim, o batom.

Não, ainda não sou adepta da base que os maquiadores tanto prezam. E no dia em que começar a usar o rímel para o dia a dia, estará conquistada e última fronteira e poderei me considerar um caso de extreme make over.
Às vezes converso sobre isso com minha cunhada, que é dois anos mais nova do que eu e padece do mesmo problema de desinformação a respeito desses assuntos. Naturalmente, como tudo na vida, as responsáveis são nossas mães. Como diz minha cunhada, não tivemos essa "aula" na infância nem na adolescência, já que nossas mães só muito tarde passaram a se importar mais com essas coisas. Porque minha mãe é do showbiz, então sempre teve maquiagem em casa para shows. Mas era só pra isso, nunca para o uso diário. Unhas então, nem pensar, por causa do violão. E ela tampouco me disse que essas coisas eram importantes -- provavelmente porque não são mesmo. A não ser pelos cremes, que ela sempre usou e me incentivou a usar desde cedo, com o discurso inquestionável de que não adianta nada começar a usar cremes aos 50.
O fato é que agora estou correndo atrás desse "prejuízo", tentando aprender na prática e sozinha o que tantas mulheres já sabem fazer literalmente de olhos fechados. A amiga leitora e que teve essa aula na infância tem alguma dica para dar a essa pobre moça que tenta se alfabetizar nas lides da beleza facial?
.

12 comentários:

Deh disse...

Com a mudança de emprego e com o fim da pendura absoluta voltei a fazer unhas. E redescobri o gosto de ir trabalhar melhor arrumada. Mas é MUITO comum sair sem "nem um batonzinho". Minhas maquiagens, por sinal, padecem do mesmo mal: data de validade vencida. Coisas que tentarei reverter aos poucos.
Dito isso só posso acrescentar que estamos no mesmo barco, colega. Desconheço noções de maquiagem. Perigo reproduzir o sensacional make da viúva Porcina, que eu imitava e achava LIN-DO naquela época. Boa sorte.
Ah, e para babar em unhas: www.lacquerized.com.

Beijos!

Yara disse...

Dá um jeito de arranjar um catálogo da Avon, no salão de sua amiga deve ter algum :o) e encomende o rímel Super Shock: é baratinho e tem um ótimo efeito moral :o)

Os batons da Avon também são bem bacanas. as sombras são horríveis :o)

Anônimo disse...

ANNA,

Não estou acreditando nisso!!!
Eu que sempre andava com maquiagem e agora faço cada vez menos... E agora é você!?Boa sorte e um grande beijo!!

Sua amiga N.

anna v. disse...

Deh: ri muito com seu medo de virar Viúva Porcina. O meu medo é sair com cara de comissária da Gol e ninguém me avisar.
Yara: na verdade eu tenho um rímel. Mas não uso no dia-a-dia (ainda). Obrigada pelas dicas!
Querida amiga N.: que bom lê-la por aqui! Pois é, para você ver. Já sabe, se tiver uns Sisheidos sobrando... podemos negociar, haha. No fundo acho que é mesmo influência do meio. Na sua "outra vida" você provavelmente convivia direto com pessoas mais maquiadas. Já aqui no Rio, eu conheço as pessoas com quem você convive, e sei que ninguém liga pra isso mesmo. Já eu, agora, passo 8 horas por dia ao lado de pessoas que ligam para essas coisas, então acabei sendo contagiada!
Beijos.

Yara disse...

Hahaha, tava escondendo o ouro, né? Então agora você pode passar para armamento pesado, como primer, base, pó e blush. Aliás, blush é ótimo, porque deixa a gente com cara de moça rica :o)

Isabella disse...

Assim como a Deh, é muito comum eu sair sem nem um batom, ou de cara pelada como diz a minha mãe. Conto nos dedos o meu kit que, por acaso, veio de brinde quando comprei um perfume da Lancôme para a minha avó: lápis, rímel, batom, pó e brilho. Mais que isso não
consigo mesmo, e olha que só uso em festas e ocasiões especiais. Quanto as unhas, já escutei de uma manicure brasileira aqui que eu estou perdendo a minha feminilidade por não fazê-las. Putz, sem comentários.
Bjos.

Helê disse...

Gente, o que aconteceu, abduriam vc? O que vc fez com a Anna?! Devolve esse corpo que ele não te pertence!

Clara Lopez disse...

Só uma diquinha de quem tb não dá muita bola pra maquiagem, mas não sai sem lápis nos olhos e batomzinho, até para o supermercado: o fator de proteção do hidrante está pequeno (supondo que PH7 seja isso), tem de ser no mínimo 30. Eu uso Epidrat FPS 30 depois que li uma longa reportagem sobre a real proteção dos hidratantes no mercado brasileiro, esse ganhou em todos os quesitos.
beijo, acho legal se cuidar,
clara

Suzi disse...

Eu também estou me iniciando "na vida". Comecei com batonzinho e agora é base e batom. Um lápis no olho em ocasioes especiais. As unhas continuam lixadas e aparadas. O mundo do esmalte ainda nao me pertence. Mas, quem sabe?beijos!

anna v. disse...

Oi, Suzi. O mundo do esmalte é bem divertido, estou achando. Mas dá trabalho. Eu tenho mantido uma média de mais ou menos 10 dias de unha pintada para cada 30 dias de unha não pintada... Vamos aos poucos.
Beijo.

alenacairo disse...

Chegou a me dar medo só de ver as fotos... eu amo maquiagem, mas não sei , juro, passar tudo além do batom e lápis (rímel eu arrisco tb).
Vou fazer um curso de automaquiagem, está na pauta, juro. Já até ganhei umas aulas.
Quando eu vejo as mulheres lindamente maquiadas na rua, eu me pergunto emque planeta eu vivi (vivo).

Rocio disse...

Para as mulheres, maquiagem são muito importantes. Eles gostam de comprar novos produtos e experimentar novas marcas. As melhores marcas de venda são revlon, Maybelline e Lancôme.