19.5.07

O Problema

O problema é que peguei um freela chato demais. E "demais" com aquele sentido de impossibilidade. Não é "muito" chato. É chato "demais". Porque está quase impossível terminá-lo. Vejam, eu às vezes me sinto muito otária. Pego uns trabalhos que são assim. Alguém recebe uma boa grana para fazer uma coisa. E faz muito, mas muito mal. Mas recebe tudo o que combinou. Aí eu sou contratada para consertar a merda que a pessoa fez. Só que recebo um quarto do que ele ou ela recebeu. E às vezes é tão ruim que bate um desespero. Mas ao mesmo tempo essas porras de éticas protestantes do trabalho não me permitem chegar para quem me contratou e falar: ó, amigo, num dá não, tô devolvendo esta bodega, se fode aí. Então fico lutando contra o freela. Quero me livrar logo, mas não consigo. Passo 40 minutos debruçada sobre o material. Aí faço um pausa. De 90 minutos. Volto e trabalho mais 30. Aí venho para a internet. Até no Youtube, que não sou muito chegada, estou entrando para ver qualquer merda. Até - o auge - no supermercado eu resolvi ir na terça à tarde, para fazer "uma pausa" desse trabalho dos infernos. Entenderam o drama? Ir ao supermercado me pareceu mais legal do que continuar naquela lenga-lenga. Meu prazo é até o fim de maio. Faltam menos de 70 páginas. Faltam ainda mais de 60 páginas. Rezem por mim.

3 comentários:

Lord Broken Pottery disse...

Anna,
Trabalho chato é comigo mesmo. Há 29 anos trabalho com TI. Além de desagradável o carece de vida inteligente ao redor.
Sou parecido com você. Fora a obrigação diária do "lavoro" na IBM, mil coisas para escrever. Como o meu sonho seria poder viver do que escrevo, aceito tudo que me pedem. Aí, invariavelmente, vêm os prazos curtos e eu, sempre capricorniano, corro para entregar antes da data. Também fujo, às vezes, para o supermercado.
Beijão

Anunciação disse...

Rezarei.Rezar é comigo mesmo.

Ferdi disse...

Ah, nem fale de freelas... Sempre uma chateação. Sempre! Boa sorte amiga. Vai acabar logo.