12.12.06

Mosquitos

Antes de mudar para onde moramos hoje, nunca tinha tido problemas com mosquitos em casa. Agora que vivemos numa rua muito arborizada e num andar baixo (ou seja, as árvores são muito mais altas do que as janelas), a situação é outra. As espécies de mosquitos e pernilongos variam com a época do ano. Tem uns grandes, verdadeiros monstros, que ficam tão pesados de sangue-do-meu-sangue que é fácil abatê-los com uma palma, e sua mão fica toda ensangüentada. Tem os menores, muito mais ágeis e insuportáveis, com seu zumbido agudinho, dificílimos de matar. E tem os mosquitos bobalhões, os mais fáceis de exterminar, mas que não matamos porque eles são tão obtusos que nem mordem.
Naturalmente, o horário favorito deles é à noite. E o lugar, a nossa cama. Melhor, o nosso ouvido. É tiro e queda: quando você já está naquele estágio de semiconsciência, quase dormindo, vem o zzzzzzzzz no seu ouvido. A partir desse momento, a nossa reação pode variar muito:

  • Charles Bronson – Justiça com as próprias mãos. Levantar, acender as luzes e matar o filho da puta custe o que custar, nem que se passe a noite em claro tentando.
  • Refusal/Denial – Não acreditar que isso está acontecendo. Cobrir a cabeça com o travesseiro ou com o lençol até sufocar.
  • Solução Final, via Zyklon B – O bom e velho spray de Baygon. Infalível, mas sua cama e seu quarto ficam meio contaminados. E não beba mais aquele copo d’água da cabeceira.
  • Perfume noturno – Passar repelente no rosto e braços, mas principalmente no ouvido, o lugar da predileção de todos os mosquitos. Aliás, nunca entendi por que eles ficam rodeando sempre o ouvido.

Sei que fico meio paranóica. Ouço o zumbido, começo a sentir vários focos de coceira, mas acho que não devo coçar, porque pra mim é nesse momento que você se ferra. Acho que, no fundo, nunca superei o pavor do Trypanosoma Cruzi, uma das minhas memórias “acadêmicas” mais remotas (aulas de ciências no primário, onde a gente aprendia sobre doenças campestres como esquistossomose e solitária). Se vocês se lembram também, o barbeiro, uma espécie endêmica das casas de pau-a-pique, pousava no rosto da pessoa e fazia cocô. E aí, quando a pessoa coçava era que se infectava. Totalmente traumático, apesar de eu nunca ter morado numa casa de pau-a-pique nem conhecido alguém que tenha tido Doença de Chagas.

Isso tudo porque, graças a mim, o mundo hoje amanheceu com três mosquitos-monstros a menos. U-hu!

10 comentários:

Maria Fabriani disse...

Aí é que cabe a pergunta: porque as mosquitas não param de beber sangue quando estão tão cheias que mal conseguem voar? será que elas não se saciam jamais?

anna v. disse...

Haha, Maria, eu entendo as mosquitas nesse aspecto. Tb não consigo parar de comer com muita facilidade...

BethS disse...

Passar repelente pode ser que resolva o problema das mordidas, mas nunca jamais a serenata nos nossos ouvidos.
Acho que a unica solução é mantê-los longe de nós. Como sugestão: colocar telas fininhas nas janelas, com buraquinhos minimos que não permita a passagem deles mas deixem a casa ventilada.
Ou então os romanticos cortinados em cada cama. Mas pensando bem, nos cortinados eles tb podem entrar...
Sei não...
Beijo

Anônimo disse...

Anna, muito mosquito matei com essas diferentes técnicas ha ha ha. Tinha uma época que eu e meu marido trabalhavamos numa cidade perto da praia, o mosquital era tao grande que a parede do quarto ficava como um cemitério de mosquitos :-) Felizmente esses bichinhos sao inofensivos no RJ, soh deixa coceira e aquelas lindas bolotas vermelhas. E eu lembro direitinho da taenia solium, saginata e do famoso barbeiro, que causava medo em mim porque a pessoa podia ter a doença e descobrir bem mais tarde ! Beijocas.

Camilo disse...

Protector na tomada, djá!!!

anna v. disse...

BethS, cortinado acho que não vai rolar. A tela pode ser, mas eu resisto porque adoro ficar na janela, e acho que a tela atrapalha muito.

Ana Lucia, não entendo por que nos aterrorizavam tanto com essas doenças rurais. Sem contar o perrengue para escrever esquistossomose.

Camilo, acredite, eu uso essa porcaria todo santo dia, e não adianta nada.

Camilo disse...

E aquelas tais espirais que parecem defumador e fazem um puta fumacê. Funciona não?

anna v. disse...

Essas ainda não experimentei. Me parece uma coisa meio extrema, mas no fundo pode ser uma boa idéia. Se eu experimentar, te conto.

Jackson disse...

É terrível a existência destas pestes. Eu me questiono qual a utilidade dos mosquitos e por que Deus os criou. Há pessoas que se assustam com vampiros, mas os vampiros da vida real são os mosquitos: estes, sim, são cruéis, chupam nosso sangue até se embriagarem. Ainda hoje, ao sair do quarto deparei-me com várias como se estivessem à minha procura. Faço parte da cadeia alimentar.
Aqui na Paraíba, os mosquitos que picam são chamados de muriçocas. Algumas pessoas usam um cortinado chamado mosquiteiro. Tem um que é quadrado e fica como uma armação flexível e adaptável ao formato da cama, é bem eficiente. Sou muito relapso mas vou voltar a usar. As muriçocas são frágeis ao vento, por isso, ventiladores no teto ou apontados para a cama funcionam bem. Fui!!!

Anônimo disse...

Gente amiga e que, igual a mim, tb não suporta essa PRAGA. Amei chegar até aqui. Vou lhes dar a minha dica, aliás muitas dicas, que uso regularmente em minha casa:
- tela nas janelas;
- fechar portas dos quartos às 16h00;
- manter luzes acesas um pouco antes de escurecer, pois aquelas vampiras adoram ESCURO;
- assim que começarem a aparecer as primeiras, por volta das 16h30, receba-as com borrifadas de um perfume ativo (preferência é sua), diluido em água e álcool. Mantenha sempre um vasilhinha com um pouco desse perfume nos locais perto de vc. É uma maneira de manter a casa perfumada e longe daquelas pragas, pelo menos enquanto tiver com o cheiro; mas sem tomar as medidas anteriores é quase nula as suas chances de mantê-las afastadas.
Agora se isso não der certo, enviem um email para mim msnino@ibest.com.br solicitando uma visita, para eu ver se terei como ir até vc (moro em Recife/PE) fazer uma dedetização ( produto sem cheiro,totalmente exterminante contra as seguintes pragas: MURIÇOCAS, BARATAS, MOSCAS, MOSQUITOS, FORMIGAS, ou seja todos os insetos voadores e/ou rastejantes. Se tiverem interessados é só me contactar, se alguém de outra cidade estiver interessado posso enviar o produto para vcs mesmos aplicarem.
Espero ter ajudado, um abraço
Marluce Santos