5.7.06

Discutindo a relação

A indignação agora é por causa da night que os jogadores do Brasil fizeram logo depois daquela derrota pífia. E o carrão que o Adriano comprou, de não-sei-quantos milhares de dólares. E para o fato de que eles não estão dando a mínima importância pra tudo que aconteceu. Eu penso melhor e acho que não é pra ser nenhuma surpresa. Veja, esses jogadores não têm nenhuma estrutura para agüentar tanto rojão. Não tenho peninha deles, não, nenhuma. Mas pensa aí, eles nascem pobres de marré deci, gostam de jogar futebol como 99% dos meninos brasileiros, de repente se destacam na multidão e muito, muito rapidamente ficam milionários. Muito ricos mesmo, mais ricos do que se juntar toda a grana que a família deles ganhou umas 15 gerações pra trás. Não é que seja uma situação propriamente ruim, claro que não. Mas também não é fácil. Precisa de, como dizer, muita estrutura emocional e psicológica para lidar com essa situação, principalmente sabendo que ela não vai durar para sempre. E que tem uns campeões do tri que vivem na miséria. E o Garrincha, claro. Por isso eu não critico o Ronaldinho Gaúcho por fazer propaganda de qualquer merda, seja picolé, doritos, rexona ou santander. Tipo esta matéria. Tem que aproveitar o fato de estar na crista da onda. Porque sei lá, agora por exemplo os anunciantes devem estar putos da vida por ter o Gaúcho-fiasco como garoto-propaganda. Mas enfim. Então os nossos galáticos não estão nem aí. Porque eles são muito ricos, porque eles não se lembram de como é ser pobre de marré deci, e a sua única redenção ser a seleção e aí perder. E perder sem a devida tragédia. Perder merecido. Quer dizer, é óbvio que eles se lembram de como é ser pobre. Mas eles querem muito esquecer. A qualquer custo. Eles querem mesmo acreditar que falam de igual pra igual com a Paris Hilton.
Mas aí vejo os jogadores argentinos. Que perderam e depois do jogo choraram. Todos. E os que ainda encontraram forças caíram na porrada com uma meia-dúzia de alemães babacas que ficaram sacaneando. E depois o técnico argentino pede desculpas à nação pela substituição covarde do Riquelme e entrega o cargo. Pra completar, a seleção volta completa pra Buenos Aires, independente de onde cada jogador mora e joga...
Sei não. Acho que a gente precisa repensar a relação com a Seleção Brasileira.

4 comentários:

Daniela disse...

Mas sabe pq os argentinos voltam pra casa e os brasileiros não?

pq eles sabem que serão ovacionados no aeroporto, mesmo tendo perdido por incompetência do técnico e ainda feito um papelão brigando depois do jogo.

e os brasileiros sabem que serão agredidos...

A nossa torcida só lembra dos ídolos quando ganham. Se perdem deixam, automaticamente, de serem ídolos. Não tem apoio, não tem torcida, não tem comprometimento. Eu não estou ali pra torcer por vc. Você está ali para me dar alegrias. E isso vale pra seleção que ganha horrores e vale pra aqueles que sairam do nada e chegaram lá sozinhos, tipo o Popó, que ninguém sabia quem era até ser campeão mundial.

triste isso.

Alena disse...

Menina... me deu uma tristeza este post... E eu aqui tentando acreditar que me ensinaram esta musiquinha na escola : Ou ficar a pátria livre ou morrer pelo Brasil! Será que nossos jogadores estudaram apaenas na escola da tv? Por isso sua ética é a da publicidade?

rafael disse...

sei lá, talvez essa relação seja exagerada. é só futebol.é muita coisa, mas é só futebol, né?

=p,

anna v. disse...

Pois é, todos vocês têm razão, e fico pensando o quanto isso tem a ver com a confusão que é pra nós brasileiros a questão do nacionalismo e do patriotismo, como não conseguimos resolver esse assunto, que é um sentimento legítimo mas ficou identificado com as ditaduras etc. Enfim, assunto para outro post.